terça-feira, 29 de novembro de 2016

Efeito Borboleta

A teoria do caos é muito complexa e eu não tenho conhecimento nem mesmo básico para falar sobre ela, mas lembro que o efeito borboleta tem alguma coisa a ver com isso (tem?). Mas na verdade isso tudo é sobre um filme. Não, isso é tudo sobre a vida. Efeito Borboleta é o nome de um filme que vi na minha adolescência e que lembro que na época me impactou. Vez ou outra lembro do filme. Resumindo, um rapaz tinha a capacidade de voltar no tempo e modificar pequenos acontecimentos, e isso impactava muito drasticamente o futuro dele; para pior. No filme, é explicado que até mesmo o bater das asas de uma borboleta pode modificar o curso das coisas, da história. Posso estar equivocada, uma vez que vi esse filme quando era apenas uma adolescente e posso ter entendido errado essa metáfora, mas acredito que seja isso mesmo. Eliminando o elemento drama da história, penso sempre sobre como os acontecimentos alteram todo o percurso de uma vida. Posso dar como exemplo a morte do meu pai. A minha vida certa e definitivamente não seria igual caso meu pai não tivesse nos deixado quando eu tinha apenas 8 anos. Entretanto, é impossível saber se a minha vida seria melhor, pior ou igualmente OK caso meu pai estivesse conosco até hoje. Outros fatos banais também podem ter mudado toda a minha história: passar por uma rua, ao invés de por outra; não ter ido à faculdade naquele dia; não ter ficado com certa pessoa; ter saído de casa 5 minutos mais cedo. Posso estar exagerando um pouco, mas é assim que sinto. Sinto que todos os meus atos e minhas escolhas modificam o meu futuro (próximo e/ou distante); tudo que acontece ao meu redor também modifica e define o que virá a seguir. De certa forma acho que essa teoria me acalma, porque tenho a sensação de que, apesar de nem sempre as coisas parecerem justas, tudo está como deveria estar. Talvez voltar atrás e consertar um "erro" pudesse ser fatal. Tudo bem, talvez não. Talvez tudo continuasse na mesma. Talvez tudo fosse melhor se meu passado tivesse sido difrerente. Mas essas especulações apesar de presentes, não são mais fortes do que a sensação de que tudo é como deveria ser. E isso me conforta. Não que eu ache que existe um Deus comandando nossos atos e destino e que nada está no nosso controle; muito pelo contrário. Tenho a sensação que estamos tão perigosamente no controle de tudo, ao ponto de que nossas escolhaas consigam impactar inclusive a vida de outras pessoas. Realmente, um caos. Mas um caos que nunca saberemos ser benéfico ou não. Nunca saberemos se uma escolha foi de fato certa ou errada. Uma coisa ruim pode ser muito ruim, mas com um propósito. Por isso acabo me sentindo mais confortada sobre erros ou momentos ruins do passado. Claro, se eu pudesse faria de tudo para ter meu pai de volta, mas será que isso seria uma coisa boa? Ou será que isso imapctaria negativamente a vida de um monte de outras pessoas? Eu sei, parece loucura. E é.

2 comentários:

  1. Sensacional!! Penso mt sobre a questão do impacto das minhas ações no meu futuro próximo e/ou distante, mas é uma reflexão meio doida pq nunca dá pra saber, e aí ficar pensando demais nisso nos remete a um eterno "e se".

    ResponderExcluir
  2. É uma boa reflexão. Ate uns anos atras eu me pegava as vezes pensando nas escolhas que tinha feito e como uma mudança poderia impactar onde estou, mas nao sei como, nem quando, nem porque, passei a perceber q na vdd nunca saberia se o outro caminho seria melhor. Mas, ja q escolhi um determinado caminho, posso fazer com q ele seja o melhor possivel, de maneira q seja quase impossivel que o outro o caminho (o q nao peguei) seja melhor, em resumo significa estar presente, entender q tudo eh causa e consequencia e aceitar as escolhas e seus respectivos preços. Isso traz de certa forma um alivio e uma gratidao quase que permanentes e uma sensaçao de tranquilidade mesmo quando algo supostamente ruin acontece, a vida fica mais leve ;)

    ResponderExcluir