sábado, 27 de outubro de 2012

Insira o título aqui.

Quando tento muito escrever e não consigo, quando sinto aquele bloqueio inevitável se aproximando, penso que talvez eu esteja muito mais preocupada em  escrever para os que vão ler, do que com o bem-estar que sinto quando escrevo. Acho que de tanto me dizerem que quando escrevemos devemos fazê-lo para que alguém leia e, de tanto tentarem me convencer que não existe essa coisa de "escrever simplesmente pelo prazer de escrever", acabei interiorizando essa ideia e ela vem me perturbar de tempos em tempos. Não acho que sempre escrevemos com o propósito de sermos lidos. Nem sempre isso vai acontecer. Mas você sempre lerá aquilo que você produzir. Então por que não escrever para si? Não posso sempre escrever esperando que alguém vá ler e pensar sobre. Não posso pensar se vão ler, como vão ler, quando vão ler. Porque se assim eu fizesse, estaria dependendo de um leitor para tonar-me uma escritora. Seria aquela coisa de "não existe senhor do engenho sem escravo". Não quero que quem eu sou dependa de como me enxergam. Não quero ser assim. Quero escrever e me sentir escritora mesmo quando não tiver ninguém para ler. Quero meus livros nas prateleiras mesmo que não haja ninguém para comprá-los. Sentirei-me honrada quando lerem, mas não posso esperar que assim sempre seja. Não posso sentir-me menos honrada como escritora quando não houver quem me encare como tal. Se minhas palavras forem lidas, elas ganharão mais vida, mais valor; mas minhas palavras não podem deixar de possuir o devido valor caso não sejam lidas. Minhas palavras e tudo que escrevo vive por si só; são independentes. Mas ao serem lidas, as palavras tornam-se mutantes, e ganham mais força e poder. Portanto, não escreverei querendo que todas elas sejam lidas, mas escreverei por acreditar na força que elas previamente possuem, antes mesmo de serem.. E assim, acreditando na força natural que elas carregam, esperarei que, com sorte, elas sejam absorvidas por outras mentes e que essas mentes as transformem em algo ainda mais valoroso. 

Um comentário: