sábado, 25 de dezembro de 2010

Praia de palmas - Ilha Grande ... O recomeço



Menos de uma semana para mais um ano. 2011. E nesse fim de ano, mais uma vez estarei indo para o paraíso.

Uma jornada muito além da sua imaginação.


É lá onde conhecemos pessoas, reforçamos os laços com aqueles que já conhecemos, renovamos o sentimento de vida, de bondade, de humanidade. É lá que brigamos quando alguém maltrata alguma planta, animal, ou até mesmo joga cigarro na praia. É lá que enfrentamos fila do banheiro pra tomar banho e rimos de tudo, brincamos feito crianças, e esquecemos de todo o resto do mundo. Ali naquela praia parece que estamos dentro de uma bolha mágica que nos protege de todo o mal. Em praia de palmas, as coisas mais simples são as melhores, são mais bonitas. O céu é o mais bonito que já se viu...a água que desce do cavalinho de madeira refresca os que passam. Seu número do PF sendo chamado é a maior alegria. Enfrentar cozinha cheia pra fazer o seu almoço, é quando você se diverte e conhece gente nova. Mais um ano estarei indo para lá. Posso dizer que teve um ano em específico que foi surreal, mas todos os outros foram maravilhosos e eu acredito que esse também vá ser. Estou aqui abrindo a estória, dando o start dessa viagem que com certeza vai ter muita coisa pra ser contada. Quem estiver lá comigo, até mesmo pessoas que eu nunca vi, farão parte de toda essa magia, e com certeza serão pessoas lembradas pra sempre. Vem sendo assim comigo há 8 anos. Um ano não termina completo sem ilha grande e um ano não se inicia com sorte sem ilha grande. Boa viagem à todos nós! Até a volta!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Ghandi X Einstein

Vou agora me valer do meu momento pessimista para escrever umas linhas. Ghandi uma vez disse que tudo que você fizer na vida será insignificante, mas que é muito importante que você o faça, e que você deve deixar as pessoas sabendo do seu sentimento por elas, porque num estalar de dedos tudo pode acabar. Mas e quando nada acaba? E quando você faz as coisas que deve fazer, e diz tudo que deve dizer e nada acaba... e nada muda. As palavras ficaram no vento, não significaram nada e a unica coisa que mudou foi que você desperdiçou todo o seu tempo fazendo coisas que não valeram de nada. E daí você começa a pensar no que então fazer. E não acha resposta nenhuma. Porque "não importa o quanto você se importe, certas pessoas simplesmente não se importam". E aí você continua. Continua no meio das incertezas, ou pior, em meio de certezas que você cisma em transformar em incertezas para ter forças de ainda tentar mudar alguma coisa. Aceite que certas coisas nunca mudam; que certas pessoas nunca escutam. Não venho aqui dizer que nada vale a pena. Venho aqui dizer que o grande segredo da vida é reconhecer a diferença entre o que vale e o que simplesmente, não. Sentimentos tem uma profundidade que só quem sente sabe a dimensão. Mais ninguém sabe, nunca saberão. Seus sentimentos podem ser nada para os outros. E aí agora o que se faz? O mundo não acabou, a pessoa não morreu, você não morreu, nenhum desastre aconteceu... e tudo que você disse serviu apenas para você aprender a calar-se. E então você se cala para todo o resto, e vive o que tem que viver. E escolhe os caminhos tortuosos e superficiais, são os que menos lhe trazem dor. Os certos e profundos são demais para serem escolhidos pro resto da vida. E então, em meio de todo esse vão, digo à Ghandi que tudo é relativo, e que a verdade dele não é absoluta. Assim como nenhuma outra. Mas que o treinamento de crítica é ótimo. Critique a si mesmo sobre o que vale a pena, sobre quem vale a pena, sobre qual ação é perda de tempo, e sobre qual ação ou palavra realmente modifica alguma coisa na vida de alguma pessoa em algum lugar do mundo.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Varanda da minha casa

E eu estou aqui...depois de 21 anos eu estou aqui. Na varanda do terceiro andar do prédio, conversando com pessoas que me amam não apesar dos meus defeitos, mas por causa dos meus defeitos. Tá calor e vai chover. Tá metade claro e metade escuro... fim de tarde. Estou ouvindo beatles. A paisagem daqui da minha varanda parece um quadro. Vai ser dificil abandoná-la depois que eu me mudar. Um quadro pintado, desenhado em cada detalhe que completa todo o conjunto que me inspira todos os dias. Principalmente os mais tristes... e evidencia os mais felizes.

domingo, 19 de dezembro de 2010

My current deal

The day rose bright
Brighter than last night
When the moon had no light
And the shadow had might

The spare time is rest
When the eternity must last
And the yesterday shall past
And the tomorrow must bring the blast

The fear of my intention
Has no longer the extention
And I only give attention
To the sound of my tension

Break me down
You wont find a conclusion
You will find confusion
You will get exclusion

But the main deal
Is what is real
Tomorrow has become possibility
And I will give full availability

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Wrong way!

E o que nos faz sobreviventes da Era dos loucos é a falta de razão. A emoção na beira do abismo evidencia a vida. Não ser contraditório é ser ignorante. Se você nunca mudou de opinião na vida, talvez não vá mudar nem na sua morte. O pensamento precisa ser inconstante, precisa ser instável, e crítico. O exercício de mudar de opinião engrandece a relatividade das coisas, nos faz menos exatos. Não há como calcular gente. Nem emoção. Muito menos ação. Nem o pensamento. Não fazer sentido faz todo o sentido no mundo em que vivemos. E se crescer é a ordem natural das coisas, por que nos tornamos menos admiráveis conforme viramos gente grande? E por que deixamos então a pureza pra infância? E por que nos condenamos quando agimos sem pensar friamente? E por que as coisas precisam fazer sentido para todos? As coisas devem fazer sentido para nós mesmos. E se os outros não entenderem, o lado bom é que você então já pode se considerar único. Só você pensa daquela maneira. Só você conhece os segredos do seu próprio mundo. Pensar não precisa ser racionalizar. Não fez sentido? Pra mim faz.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Young as I am

I've lost my will of mourn
Days are bright
Nights are hot

All the sympathy has gone
The heat has come
The meat makes me come

The cool and peace no longer exist
High temperature is a bliss
The youth must last
I'm only having a blast

And the cold days of yore
Have past me by
And I did not stop to say hi

From now on
younger each day
the baddest feeling
is the greatest one